terça-feira , 17 outubro 2017
Últimas Notícias

Estado Islâmico divulga vídeo de suposta decapitação de agente russo na Síria

Identidade da vítima e autenticidade de imagens ainda não foram confirmadas. Rússia apoia regime do presidente sírio Bashar al-Assad, e vídeo exibe cenas de bombardeios russos no país.

Trecho de vídeo com suposta decapitação de russo por integrante do Estado Islâmico (Foto: Reprodução/SITE)

Trecho de vídeo com suposta decapitação de russo por integrante do Estado Islâmico (Foto: Reprodução/SITE)

O Estado Islâmico divulgou um vídeo que mostra a decapitação do que descreveu como um agente de inteligência da Rússia capturado na Síria, relatou nesta terça-feira (9) o site de monitoramento SITE, sediado nos Estados Unidos.

O Ministério da Defesa russo e o serviço de segurança FSB não estavam disponíveis para comentar de imediato à Reuters, mas um senador russo disse que os militantes “irão pagar no inferno” se a gravação for comprovada como autêntica. À agências russas, o ministério afirmou que a informação é falsa, e que nenhum agente russo foi capturado e morto.

O vídeo de 12 minutos narrado em russo, divulgado no dia em que a Rússia comemora o aniversário da vitória sobre a Alemanha nazista em 1945 com paradas militares, mostrou o homem vestido com um macacão preto de joelhos em uma paisagem desértica e incentivando outros agentes russos a se renderem.

“Este idiota acreditou nas promessas de seu Estado de não abandoná-lo se fosse capturado”, diz um narrador na gravação, antes de um homem barbado o decapitá-lo com uma faca.

A autenticidade da filmagem e a identidade da vítima não puderam ser verificadas de imediato, e tampouco ficou claro quando o assassinato ocorreu.

Forças da Rússia estão apoiando o presidente sírio, Bashar al-Assad, em sua guerra contra rebeldes e militantes que tentam derrubá-lo. O vídeo exibiu cenas do que descreveu como os resultados de bombardeios russos na Síria.

O Ministério da Defesa russo disse que cerca de 30 militares do país foram mortos desde o início da operação da Rússia na Síria, em setembro de 2015.

Fonte/Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*